«

»

A Massagem do Bebê

A Técnica de massagem em bebês mais conhecida no Brasil denomina-se Shantala, trazida da Índia pelo médico francês Frédérick Leboyer.

Na década de 60, em uma de suas viagens à Índia, Leboyer observou uma indiana acariciando e massageando todo o corpo do seu bebê, foi então, a partir daquela cena ele passou a estudar os efeitos da massagem do bebê e a intitulou Shantala homenageando a indiana que o serviu de inspiração para seus estudos.babymassage2
Atualmente a massagem em bebês é amplamente difundida e executada por mães, pais, cuidadores e terapeutas que a reconhecem como um primoroso canal de comunicação com a criança.
A rica vivência em estímulos sensório-motores favorece o crescimento e desenvolvimento maturacional da criança, pois os estímulos táteis e cinestésicos promovem a experienciação de sensações e de movimentos, fazendo com que o bebê busque experimentar e adquirir novas conquistas neuropsicomotoras.
Do ponto de vista psicológico, estudiosos apontam o estabelecimento de uma forte ligação afetiva durante a massagem, promovendo ao bebê conhecimento do corpo, conforto e segurança, de modo a favorecer o processo de aprendizagem, uma vez que ele se sente seguro para explorar o mundo, além de proporcionar o desenvolvimento de uma criança mais tranquila e saudável.
Os benefícios fisiológicos abrangem a estimulação direta dos sistemas músculo-esquelético, nervoso e circulatório.
Sem dúvida os benefícios não são somente para a criança, mas sim também para a mãe que elabora um meio de comunicação único e primoroso com seu filho. Nos tempos atuais em que a grande maioria das mulheres exerce atividades fora do lar, muitas vezes esse momento permite que a mãe diminua a ansiedade e a sensação de culpa por não poder estar com seu filho ao longo do dia, passando a perceber que não importa a quantidade, mas sim a qualidade do tempo em que passam juntos.

 

Os pais também devem ser incentivados a vivenciar e praticar esse momento.

É importante que a massagem faça parte da rotina do bebê, no momento em que ambos estejam confortáveis e tranqüilos. Momentos de sono, fome, estômago cheio e irritabilidade da criança devem ser evitados. A massagem também não deve ser realizada em casos de qualquer sintomatologia que altere as condições clínicas do bebê (resfriado, febre, diarréia, alteração na pele etc.).
O ambiente e as mãos de quem vai promover a massagem deve apresentar temperatura agradável, de modo que a criança esteja aquecida e confortável ao toque.
Atualmente as técnicas que envolvem massagem em bebês não estão restritas somente aos pais, mas sim à cuidadores, educadores e terapeutas que a utilizam visando também todos os benefícios que ela proporciona.

Na Fisioterapia Motora Pediátrica, todos esses benefícios que envolvem a massagem do bebê devem ser levados em consideração na estimulação e aquisição de ganhos sensoriais e motores. É importante que o profissional Fisioterapeuta atue executando, incentivando e orientando aos pais e cuidadores os princípios mecânicos e fisiológicos desta valiosa técnica.

Ft.Ms.Siomara Malta Nicacio

Crefito 3/32149-F

Link permanente para este artigo: http://fisioterapiaalphaville.com/?p=296